Banner siteArtboard 1.jpg

Na busca pelo autoconhecimento e a fé, a exposição Introspectos apresenta as obras de Adriana Conti e Janice Perez. Combinando duas perspectivas únicas que refletem interpretações distintas sobre os caminhos da memória afetiva e religiosa, a mostra conta com obras que reunem beleza e cor.

 

Se por um lado nos brindamos com a narrativa da emoção e da memória dos espaços imaginários da pintura de Adriana, por outro nos deparamos com a sutileza das esculturas simbólicas de Janice, que ressaltam a beleza da madeira alinhada ao poder das preciosas gemas que a artista coleciona. 

 

Introspectos exibe a externalização das crenças, anseios e desejos das artistas, que apesar de suas manifestações tão diferentes, se utilizam da riqueza de seu trabalho para se conectar às suas emoções subliminares e à sua espiritualidade. 

Adriana Conti
[
PINTURAS]

  • Instagram
WhatsApp Image 2021-10-30 at 16.35.48.jpeg

A amplitude que devolve o chão

Adriana Conti Melo trabalha com a ilusão do real, as cores, ao mesmo tempo que são belas e inusitadas, podem formar labirintos ou criar lugares próprios. Os restos de tintas deixados da camada anterior representam a memória dos percursos, cada um de nós olha para as pinturas com o próprio repertório, cada um de nós interpreta a imperfeição das perspectivas de acordo com suas vivências. Na nova fase a artista eliminou o chão de suas pinturas, impactada por uma descoberta na sua vida pessoal, colocando os elementos da obra num novo ângulo. É emblemático que a primeira exposição aconteça em numa Balneário Camboriú que resgata exatamente esse chão em suas praias, aumentando a faixa de areia. A dragagem da vida real é uma camada ou faixa de outra cor nas telas, mas outros elementos característicos da trajetória de Conti Melo estão presentes, as cores preenchem um jogo, ora menores e múltiplas, ora maiores e contíguas, sem uma certeza, como a vida. As escadas possibilitam os encontros e os deslocamentos, na obra, e fora dela, nada é estanque, há sempre uma saída, no mínimo a necessidade de reconstrução. A partir de que tom? Saindo do concreto ou do sonho? Ah, a vastidão do nosso rumo!

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Janice Perez
[
ESCULTURAS]

  • Instagram
WhatsApp Image 2021-10-30 at 17.39.27.jpeg

 

 

O trabalho da mineira Janice Perez retrata a fé Iorubá em sua expressão mais brasileira, conhecida como Umbanda. É um tributo às religiões de matriz africana que, ao extrapolarem os limites da percepção imaterial do mundo espiritual, ganham formas pelas suas mãos que esculpem símbolos e signos dos Orixás. Com ferramentas que ela mesma adapta dos processos de carpintaria, ofício estabelecido na região desde o ápice do Barroco Mineiro no século XVIII, Janice imbui devoção em cada peça que manipula, para fazer jus à significância que seu trabalho conota: amuletos de poder; joias que corporificam os arquétipos, dons, poderes e ferramentas popularmente conhecidas no panteão Iorubá. Há uma preciosidade peculiar na escolha que ela faz de madeiras nobres e raras, cautelosamente encontradas em antigas fazendas e demolições, e que em suas mãos se liquefazem. Transformando-as em berçários para receber as preciosas gemas que coleciona, Janice assegura que a combinação dos elementos selecionados em cada artefato representa e corresponde os Orixás que intitulam as obras.

Seu trabalho se conecta com as noções de fé e espiritualidade, jóia e amuleto, religiosidade e ancestralidade.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom